Login

Register

Login

Register

Tag: compras

10
ago

Qual o melhor abridor de vinhos para se ter em casa?

Algumas pessoas me perguntam qual o melhor abridor de vinhos para se ter em casa. Atualmente existem muitos modelos modernos, cheios de design, muito bonitos, aliás, disponíveis no mercado e em todas essas lojas especializadas em utensílios residenciais. Mas será que vale a pena gastar tanto dinheiro em uma ferramenta tão simples? Na minha opinião definitivamente não, e a melhor opção continua sendo a mais simples e tradicional: o velho e bom abridor de duas fases. Aquele mesmo, que os nossos amigos sommeliers usam nos restaurantes e que podemos adotar sem qualquer frescura e com um pouco de conhecimento. O primeiro motivo é o valor, pois existem muitas opções de boa qualidade e com bom preço. O segundo motivo é que os mais modernos e cheios de “invencionices” quebram com muita facilidade ou falham na hora da abertura da garrafa, danificando a rolha. Resultado: viram lixo rapidamente e lá se foi o seu dinheiro!

O abridor de duas fases sem dúvida alguma é o mais fácil e tradicional de se manipular e seguindo algumas etapas bem simples, a abertura da garrafa fica muito mais tranquila. E a melhor parte é que eles duram muito mais tempo na sua gaveta de utensílios!

Em seguida explico o passo a passo do processo, e sem rodeios!

Abridor de Vinhos

Cortando o lacre

1. Corte do lacre. O abridor de duas fases tradicional vem com uma pequena lamina dobrada em uma das extremidades;

2. Abra a lamina e faça um corte circular ao redor e logo abaixo da boca da garrafa. Retire essa tampa do lacre de alumínio e descarte, em seguida, feche a lamina para evitar pequenos acidentes.

3. Essa tampa do lacre deve ser sempre cortada um pouco abaixo da boca da garrafa de vinho para evitar qualquer contato do liquido com o alumínio na hora de servir, pois esse contato com o alumínio pode alterar o sabor do vinho;

4. Desdobre o saca-rolhas e insira na rolha. Posicione a ponta do saca-rolhas no centro da rolha da garrafa de vinho, empurre-o e comece a torcer. Mantenha esse processo até que você tenha apenas uma torção aparente disponível;

5. Se você não torcer o suficiente, deixando apenas esta sobra aparente, a rolha pode quebrar em pedaços ao tentar extraí-la;

Abridor de Vinhos

Torcendo o suficiente

6. Comece a retirada da rolha. Apoie o primeiro estágio do braço da alavanca para baixo no gargalo da garrafa. Empurre a alavanca para baixo para que a rolha comece a se mover para cima. Se necessário, use o segundo estágio do abridor para continuar a retirada total da rolha, mas nunca dobre a rolha forçando a retirada, pois ela pode quebrar;

7. Em alguns vinhos as rolhas são maiores em função da característica do vinho, e nestes casos o cuidado tem que ser redobrado para evitar a quebra da rolha, e o uso do segundo estagio será muito necessário;

8. Se a rolha não ceder e começar a subir, você pode não ter torcido o suficiente o saca-rolhas. Garanta que a torção foi centralizada na rolha e a sobra aparente é de apenas uma torção;

9. Retire a rolha com cuidado. Puxe a alça do saca rolha para cima com firmeza. A rolha deve facilmente sair da garrafa com um ligeiro “pop”.

10. Se a rolha não começar a sair, faça mais uma torção final do saca-rolhas, e repita o processo da retirada. Conclua o processo retirando a rolha do saca-rolhas torcendo ele ao contrário e segurando a rolha com firmeza.

Abrir uma garrafa vinho com rolha não tem que ser um mistério, mas é um processo que deve ser executado seguindo esses pequenos cuidados, pois depois ter que “coar” o líquido para servir, não será nada legal!

Save

Save

23
jun

Compro ou não vinhos em supermercados?


Os supermercados continuam sendo os principais vendedores de vinhos em qualquer lugar do mundo sem dúvida quando queremos muita variedade e bons preços! Cerca de 95% das garrafas compradas pelas pessoas que consomem estes vinhos são consumidas no mesmo dia em casa ou em eventos com os familiares e amigos. A grande questão é: vale a pena mesmo?

Se o objetivo principal é a facilidade associada a variedade e ótimo preço, as redes são opções bem interessantes, principalmente as que possuem espaços dedicados, bem estruturados e até com atendentes treinados para repassar algumas explicações sobre o portfólio que está disponível. A preocupação está ligada às redes que simplesmente colocam os vinhos em suas prateleiras ou gondolas sem qualquer cuidado com o armazenamento, restrição de exposição a luz e temperatura ambiente. Esses cuidados reduzem consideravelmente a probabilidade de abrir uma garrafa de um vinho oxidado!

Como já mencionei, a variedade é sempre muito grande e os preços são bem atrativos, pois o poder de negociação destas redes com os produtores e importadoras de vinhos é pesado! O outro lado da moeda é que as margens também são altas, existem muitos custos administrativos e operacionais e os produtos chegam para os clientes com preços muitas vezes questionáveis. O resumo disso tudo é que vinhos mais simples, que são chamados de combate ou entrada, chegam para os clientes com preços de vinhos intermediários, como os que são vendidos em lojas especializadas e importadoras.

Levando em consideração estes pontos, eu sempre prefiro visitar alguma loja especializada ou de uma importadora para poder escolher com mais calma e carinho os vinhos, tentar escolher opções que são mais interessantes em relação ao custo e sem dúvida alguma negociar os preços! Muitas sempre oferecem bons descontos em várias épocas do ano, principalmente quando chegam novas safras. Um tema também muito interessante é que muitas importadoras não comercializam seus vinhos com redes de varejo e supermercados. Neste caso o acesso às opções diferentes e interessantes é bem maior! Vale muito a pena, acreditem! Por fim, algumas possuem um espaço para degustações, um winebar por exemplo, e você pode experimentar o vinho que vai levar para ter a certeza de que vai gostar quando abrir.  Essa experiência vira um programa muito bacana com os familiares e amigos ou até mesmo sozinho!

Resumindo: eu deixaria a hipótese de compra de vinhos em redes varejistas ou de supermercados para aquelas situações bem emergenciais, reuniões ou festas de última hora e inesperadas e, preferencialmente, em horários em que as lojas das importadoras estão fechadas. Mas essa é a minha opinião!